IMPLICAÇÕES DO PENSAMENTO DECOLONIAL PARA A EDUCAÇÃO AMAZÔNICA

  • Adan Renê Pereira da Silva Universidade Federal do Amazonas
  • Suely Aparecida do Nascimento Mascarenhas Universidade Federal do Amazonas

Resumo

O presente estudo objetiva discutir como o pensamento decolonial pode ser apropriado pela educação no contexto amazônico. Entende-se o tema como essencial para pensar a teoria em um contexto crítico, dada a necessidade de desfazer estereótipos colonizadores, principalmente no que tange à figura indígena, cujo “epistemicídio” de que são vítimas acaba sendo absorvido por docentes e discentes na região amazônica. Para tanto, revisaram-se os autores que versam sobre a temática por meio de revisão bibliográfica narrativa. A análise levou à percepção de que é imprescindível ver as colonizações brasileira e amazônica sob novas lentes, as quais precisam dar visibilidade à história dos subjugados, não dos vencedores portugueses e espanhóis. Concluiu-se que a iniciativa de aproximação do pensamento decolonial precisa ser aprofundada, sendo este referencial indispensável neste processo, por abrir caminhos teóricos alternativos aos paradigmas tradicionais da visão do colonizador.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Pós-Doutora com ênfase em Psicologia Escolar pela Universidade do Minho. Doutorado em Diagnóstico e avaliação educativa-psicopedagogia pela Universidade da Corua (2004, revalidado e registrado pela Universidade de Brasília). Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas. Possui interesse por temas ligados à Educação, em geral.

Referências

BELÉM, E. Afinal, como a crítica decolonial pode servir às artes da cena? ILINX – REVISTA DO LUME, Campinas, v. 1, n. 10, pp. 99-106, 2016. Disponível em: https://www.cocen.unicamp.br/revistadigital/index.php/lume/article/view/461/408. Acesso em: 01 ago. 2018.
BRIGHENTI, C. A. Colonialidade do poder e a violência contra os povos indígenas. Revista Percursos, Florianópolis, v. 16, n. 32, pp. 103-120, set-dez. 2015. Disponível em: http://www.periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/1984724616322015103. Acesso em: 30 jul. 2018.
CANIVEZ, P. Educar o cidadão? Campinas: Papirus, 1991.
DURKHEIM, E. Educação e sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1973.
______. As regras do método sociológico. São Paulo: Nacional, 1974.
ESPANHOL, C. O. Saberes subalternizados da América Latina e o pensamento de fronteira. In: XVI CONGRESSO INTERNACIONAL FOMERCO. Anais da Integração Regional em Tempos de Crise: desafios políticos e dilemas teóricos. Salvador: UNEB 2017, p.1-14.
MASCARENHAS, S. A. N. Amazônia: identidade histórico-cultural, cidadania e descolonização – desafios do ensino. RECH – Revista de Ciências e Humanidades – Cidadania, Diversidade e Bem-Estar, Humaitá, v. 1, n. 1, pp. 187-200, jul-dez. 2017. Disponível em: http://www.cw7.info/index.php/?pagina=148. Acesso em: 4 ago. 2018.
MIGNOLO, W. D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 94, pp. 1-18, jun. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092017000200507&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 30 jul. 2018.
MULLER, F. Socialização na escola: transições, aprendizagem e amizade na visão das crianças. Educ. rev., Curitiba, n. 32, p. 123-141, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 jul 2018.
NEVES, L. J. O. Desconstrução da colonialidade: iniciativas indígenas na Amazônia. E-cadernos ces [Online], Coimbra, v. 02, n. 1, pp. 1-6, dez. 2008. Disponível em: https://journals.openedition.org/eces/1302. Acesso em: 9 ago. 2018.
NOLASCO, E. C. Pensamento fronteiriço e estética descolonial. Z Cultural – Revista do Programa Avançado de Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 01, n. 02, pp. 1-9, jun-dez. 2016. Disponível em: http://revistazcultural.pacc.ufrj.br/os-condenados-da-fronteira-pensamento-fronteirico-e-estetica-descolonial/. Acesso em 01 ago. 2018.
PONTES FILHO, R. Estudos de História do Amazonas. Manaus: Valer, 2010.
QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur. Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 107-130.
SANTOS, R. W. C; NEVES, I. S. A colonialidade na Amazônia Brasileira e suas atualizações na produção audiovisual: o vídeo institucional “A Usina Hidrelétrica de Belo Monte”. In: XII CONGRESO LATINOAMERICANO DE INVESTIGADORES DE LA COMUNICAIÓN. Grupo Temático 14: Discurso e Comunicação. São Paulo: PUC, 2014, p.1-22.
SILVA, A. R. P. A construção identitária dos cirandeiros do Festival de Cirandas de Manacapuru. 2014. 128f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Psicologia da Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2014
TELES, T. R. Mudar o discurso: por uma decolonialização da mente docente na Amazônia. Revista de Educação, Ciência e Cultura, Canoas, n. 2, jul. 2017. Disponível em: https://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Educacao/article/view/3590. Acesso em: 01 ago. 2018.
TIPOS DE REVISÃO DE LITERATURA. Botucatu: UNESP, 2015. 9p. Disponível em: http://www.fca.unesp.br/Home/Biblioteca/tipos-de-evisao-de-literatura.pdf.
VOSGERAU, D.S.R.; ROMANOWSKI, J.P. Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 14, n. 41, pp. 165-189, jan./abr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 4 ago. 2018.
WALSH, C. Interculturalidad, Estado, Sociedad: Luchas (de)coloniales de nuestra época. Universidad Andina Simón Bolivar, Ediciones Abya-Yala: Quito, 2009. Disponível em < http://www.flacsoandes.edu.ec/interculturalidad/wp-content/uploads/2012/01/Interculturalidad-estado-y-sociedad.pdf >. Acesso em: 8 ago. 2018
Publicado
2018-10-14
Como Citar
SILVA, Adan Renê Pereira da; MASCARENHAS, Suely Aparecida do Nascimento. IMPLICAÇÕES DO PENSAMENTO DECOLONIAL PARA A EDUCAÇÃO AMAZÔNICA. Multidebates, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 202-218, out. 2018. ISSN 2594-4568. Disponível em: <http://www.faculdadeitop.edu.br/revista/index.php/revista/article/view/101>. Acesso em: 17 nov. 2018.
Seção
Artigos