DESAFIOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DE ENSINO NA EAD

A EDUCAÇÃO NA ERA DE SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA

  • Lidnei Ventura Universidade do Estado de Santa Catarina

Resumo

O presente artigo tem por objetivo relatar e problematizar os desafios quali-quantitativos encontrados na realização do estágio curricular supervisionado no curso de Pedagogia a Distância do Centro de Educação a Distância, da UDESC, oferecido em parceria com a UAB, em cuja oportunidade foram encaminhados ao campo de estágio mais de 1.200 acadêmicos, em unidades educativas formais e não-formais, concentrados em 21 Polos de Apoio Presenciais (UAB), porém diluídos em cerca de 100 municípios catarinenses. No relato desta rica experiência, foram utilizados autores ligados à concepção de estágio enquanto práxis investigativa do contexto educacional, remetendo a uma clara dimensão de “compreensão do fenômeno educacional” (PIMENTA & LIMA, 2006) e também que concebem a ação de estágio como compromisso social empreender outras duas dimensões reflexivas: de intervenção e transformação da realidade educacional (VENTURA, 2013). Permeando todo relato está presente a concepção de educação a distância como “educação em sua reprodutibilidade técnica”, fazendo-se uma relação direta com a análise de Benjamin (1994) sobre a obra de arte moderna. Para fundamentar os enfrentamentos do processo de estágio diante de suas demandas materiais, utiliza-se o conceito de “máquina de guerra”, de Deleuze & Guatari (2004).

Referências

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Tradução de Maria Lucia Pereira. Campinas: Papirus, 1994.
BELLONI, M. L. Educação a distância. 5. Ed. Campinas: Autores Associados, 2008.
BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras Escolhidas. Vol.1. 7.ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.
BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 001.Institui as diretrizes curriculares nacionais para formação de professores da educação básica. Brasília, 2001.
______.Câmara dos Deputados. Presidência da República. Casa Civil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394/96. Brasília, 2006.
COSCARELLI, C. V.; RIBEIRO, A. E. Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2005.
DELEUZE, G; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia.Volume 3. Tradução de Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 2ª reimpressão – 2004.
HARVEY, 1992. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1992.
MOORE, Michael; KEARSLEY, Greg. A educação a distância: uma visão integrada. Trad. Roberto Galman. São Paulo: Thomson Learning, 2007.
NISKEIR, Arnaldo. Educação a distancia: tecnologia da esperança. São Paulo: Loyola, 1998.
PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis. v.3, n.3, 2005-2006.
VENTURA, L. O estágio curricular obrigatório e as dimensões da prática educativa e da prática de ensino. Texto digital. Florianópolis: UDESC, 2013.
WOLSKI. Denise T. R. Marques. O movimento das reformas curriculares da licenciatura em Matemática na universidade federal do Paraná: algumas referências ao conhecimento pedagógico do conteúdo. Dissertação de mestrado. Curitiba, UFP, 2007.
ZOURABICHVILI, François. O vocabulario de Deleuze. Traduçao André Telles. Rio de Janeiro: Centro Interdisciplinar de Estudo em Novas Tecnologias e Informação, 2004.
Publicado
2018-10-14
Como Citar
VENTURA, Lidnei. DESAFIOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DE ENSINO NA EAD. Multidebates, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 318-332, out. 2018. ISSN 2594-4568. Disponível em: <http://www.faculdadeitop.edu.br/revista/index.php/revista/article/view/114>. Acesso em: 17 nov. 2018.
Seção
Artigos