O PODER DAS PLANTAS MEDICINAIS: UMA ANÁLISE HISTÓRICA E CONTEMPORÂNEA SOBRE A FITOTERAPIA NA VISÃO DE IDOSAS

  • Martin Dharlle Oliveira Santana Universidade Estadual do Tocantins - Unitins
  • Jennyfer Soares de Sá Universidade Estadual do Tocantins - UNITINS
  • Adriano Figueredo Neves Universidade Estadual do Tocantins - UNITINS
  • Priscila Gonçalves Jacinto Figueredo Universidade Estadual do Tocantins - UNITINS
  • Janayna Araújo Viana Universidade Estadual do Tocantins - UNITINS

Resumo

A fitoterapia é a arte de prevenir e curar doenças através da utilização de práticas naturais, principalmente por plantas com caráter medicinal. A grande maioria das pessoas adotam esse método por acreditarem em todo um contexto histórico criado desde seus antepassados até os dias atuais, contexto esse de que algumas plantas possuem características medicinais e que podem curar as enfermidades objetivadas. Esta pesquisa, teve como objetivo principal, analisar o desenvolvimento histórico do uso da plantas medicinais para a obtenção de cura frente a enfermidades, complementando com um conjunto de apontamentos referentes ao porque da utilização dessa prática. A natureza desse objeto é formada por preceitos metodológicos com abordagem qualitativa, envolvendo um sistema de pesquisa-ação, na qual, realizou-se uma construção temporal da evolução das práticas que envolvem as plantas medicinais, complementando com a opinião das participantes a respeito do uso dessa atividade histórica. A pesquisa foi realizada no Centro de Referência de Assistência Social – CRAS do município de Augustinópolis, estado do Tocantins, Brasil, aplicando-se o formulário para 50 idosas. Aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa - CEP da UNITINS , número: 2.158.032. Após a análise dos dados baseada em torno da seguinte indagativa: As senhoras acreditam no poder de cura das plantas medicinais? As principais categorias que emergiram de forma livre e espontânea. Portanto, nota-se que a cultura do uso de plantas medicinais está presente no cotidiano dessas idosas, muitas obtiveram o conhecimento dessa prática através de seus antepassados, de geração em geração.


 

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Resolução Nº 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências.

ARNOUS, A.H.; SANTOS, A.S.; BEINNER, R.P.C. Plantas medicinais de uso caseiro - conhecimento popular e interesse por cultivo comunitário. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v.6, n.2, p.1-6, jun.2005.

BADKE, R. et al. Plantas medicinais: o saber sustentado na prática do cotidiano popular. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, vol. 15, núm. 1, janeiro-março, 2011, pp. 132-139

BALBINOT, S. ; VELASQUEZ, P.G. ; DÜSMAN, E. Reconhecimento e uso de plantas medicinais pelos idosos do Município de Marmeleiro – Paraná. Rev. Bras. Pl. Med., Campinas, v.15, n.4, supl.I, p.632-638, 2013.

BATELLO, C. 1950. Iridologia e Irisdiagnose: o que os olhos podem revelar. 3° Ed. [reimpr.]. Santo André, SP. Ed. do autor, 2012.

BOCHNER, R. et al. Problemas associados ao uso de plantas medicinais comercializadas no Mercadão de Madureira, município do Rio de Janeiro, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.14, n.3, p.537- 547, 2012.

BRAGA, C.de M.. Histórico da utilização de Plantas Medicinais. Brasília, 2011.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 156 p.

BREVE HISTÓRIA DAS ERVAS [2008]. Disponível em . Acesso em 09.10.2016.

CEOLIN, T. et al. Plantas medicinais: transmissão doconhecimento nas famílias de agricultoresde base ecológica no Sul do RS. Revista Escola de Enfermagem USP; v.45, n.1 p.47-54, 2011.

CUNHA, A.M. et al. Hypoglycemic activity of dried extracts of Bauhinia forficata. Link. Journal Phytomedicine, v.17, n.1, p.37-41, 2010.

DUARTE, M.C.T. Atividade antimicrobiana de plantas medicinais e aromáticas utilizadas no Brasil.Revista Multi Ciência, n. 7, 2006.

FRANÇA, A.C.M. et al. Avaliação do Conhecimento sobre as Plantas Medicinais entre os Estudantes do Unileste, MG. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 1, p. 399-401, jul. 2007

FRANÇA, I.S.X. et al.Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Rev Bras Enferm, Brasília 2008 mar-abr; 61(2): 201-8.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GUIMARÃES, E. C. B. T. Desenvolvimento e validação de metodologia analítica para o controle químico da qualidade de fitoterápicos à base de extrato seco de alcachofra. Rio de Janeiro: INCQS / FIOCRUZ, 2007.

ISERHARD, A. R. M et al. Práticas culturais de cuidados de mulheres mães de recém-nascidos de risco do sul do Brasil. Escola Anna Nery Revista Enfermagem jan-mar; v13 n.1 p.: 116-122, 2009.

LEÃO, R.B.A.; FERREIRA, M.R.C.; JARDIM, M.A.G. Levantamento de plantas de uso terapêutico no município de Santa Bárbara do Pará, Estado do Pará, Brasil. Revista Brasileira de Farmácia, v. 88, n. 1, p. 21-25, 2007.

LUZ, MT. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis [online], v. 15, supl., p. 145-176, 2005.

MATA, N. D. S. da. Participação da mulher Wajãpi no uso tradicional de plantas Medicinais. Macapá: UNIFAP, 2009.

MACIEL, M. A. M. et al. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Quim. Nova, Vol. 25, No. 3, 429-438, 2002.

MEDEIROS, L.C.M. As plantas medicinais e a enfermagem: a arte de assistir, de curar, de cuidar e de transformar os saberes [tese de doutorado]. Rio de Janeiro (RJ): Escola de Enfermagem Anna Nery/ UFRJ; 2001.

OLIVEIRA, C.J.; ARAÚJO, T.L. Plantas medicinais: usos e crenças de idosos portadores de hipertensão arterial. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 9, n. 1, p. 93- 105, 2007.

OLIVEIRA, E.R.; MENINI NETO, L. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do povoado de Manejo, Lima Duarte – MG. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.14, n.2, p.311-320, 2012.

PINTO, E.P.P.; AMOROZO, M.C.M.; FURLAN, A. Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais de mata atlântica – Itacaré, BA, Brasil. Acta Bot. Bras. 2006. 20(4): 751-762.

RODRIGUES, A.G.; SANTOS, M.G.; AMARAL, A.C.F. Políticas Públicas em Plantas Medicinais e Fitoterápicos. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. A fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisa de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 148 p.

RODRIGUES, H.G. et al. Efeito embriotóxico, teratogênico e abortivo de plantas medicinais. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.13, n.3, p.359-366, 2011.

SCHOLL, A.L. Conhecimento popular sobre o uso de plantas medicinais. Caxias do Sul, 2012.

SILVA, Y.F. Família e redes sociais: o uso das práticas populares no processo saúde e doença. In: Silva YF, Froenço MC. Saúde e doença: uma abordagem cultural da enfermagem. Florianópolis (SC): Papa Livro;. p.75–93, 1996.

TOMAZZONI, M.I.; NEGRELLE, R.R.B.; CENTA, M.L. Fitoterapia Popular: A Busca Instrumental Enquanto Prática Terapêutica. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2006.
Publicado
2018-10-14
Como Citar
SANTANA, Martin Dharlle Oliveira et al. O PODER DAS PLANTAS MEDICINAIS: UMA ANÁLISE HISTÓRICA E CONTEMPORÂNEA SOBRE A FITOTERAPIA NA VISÃO DE IDOSAS. Multidebates, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 10-27, out. 2018. ISSN 2594-4568. Disponível em: <http://www.faculdadeitop.edu.br/revista/index.php/revista/article/view/116>. Acesso em: 17 nov. 2018.
Seção
Artigos