ASSISTÊNCIA AO PARTO E SUAS MUDANÇAS AO LONGO DO TEMPO NO BRASIL

  • Welman de Sousa Lima Universidade Estadual do Tocantins - UNITINS
  • Martin Dharlle Oliveira Santana Universidade Estadual do Tocantins - UNITINS
  • Jennyfer Soares de Sá Universidade Estadual do Tocantins - UNITINS
  • Maikon Chaves de Oliveira Universidade Estadual do Tocantins - UNITINS

Resumo

A assistência ao parto passou por transformações necessárias ao longo do tempo. Antes as mulheres tinham seus filhos em casa, no seio familiar e eram assistidas por parteiras, com o surgimento da medicalização e com o avanço da medicina, essas mulheres passaram a se institucionalizar. Objetivo: conhecer o processo histórico da assistência ao parto e suas mudanças ocorridas no processo temporal. Metodologia: pesquisa em bancos de dados (TCC, Monografias, Dissertações e Teses) das universidades com acesso via online, assim como aqueles disponíveis nas bases bibliográficas Scielo, Bireme e através de cadernos, cartilhas manuais e informes do Ministério da Saúde do Brasil, que possuem conteúdos que contemplem o tema da evolução da assistência ao parto no Brasil. Para a coleta de dados foi realizada uma leitura exploratória de todo material selecionado referente ao tema para verificar se a obra consultada era relevante para o trabalho. Considerações finais: Através da realização deste estudo bibliográfico, pode-se confirmar que a assistência ao parto passou por muitas mudanças significativas, com o alto índice de mortalidade materna e infantil, surgiu a necessidade das gestantes terem seus filhos em instituições hospitalares surgindo, assim, a institucionalização e medicalização. Com a busca da mulher por seus direitos constitucionais, podem-se observar mudanças na melhoria da assistência às gestantes e seus bebês, o Programa Nacional de Humanização do Pré-natal e Nascimento, a Política Nacional de Humanização, a Rede Cegonha, a Política Nacional de Atenção Obstétrica e Neonatal, que tem por objetivos gerais a assistência humanizada às gestantes, família e recém-nascido.

Referências

ANDRADE, L.M. et al. Atendimento humanizado nos serviços de emergência hospitalar na percepção do acompanhante. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2009; 11(1): 151-7.

BERTONCINI, J.H.; PIRES, D.E.P.; SCHERER, M.D.A. Condições de trabalho e renormalizações nas atividades das enfermeiras na saúde da família. Trabalho. Educação e Saúde. 2011; 9 (1 Suppl):157-73.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Brasília (Brasil): Ministério da Saúde; 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha [Internet]. Disponível em:
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Série Textos Básicos de Saúde. 4ª ed. 3ª reimp. Brasília- DF. em: 2014.

BRUGGEMANN, et al. Evidências sobre o suporte durante o trabalho de parto/parto: uma revisão da literatura. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n.5, out. 2005.

CARALO, IannaLouíze Caires Magalhães. A participação do enfermeiro no parto humanizado: uma revisão bibliográfica. Faculdade de Ciências da Educação e Saúde-FACES.Brasília, 2014.

DINIZ, C.S.G. Assistência ao parto e relações de gênero: elementos para uma releitura médico-social. Dissertação de mestrado. Faculdade de Medicina/USP, São Paulo, 1997.

DINIZ, C.S.G. Humanização da assistência ao parto no Brasil. Os mitos sentidos de um movimento. Ciênciae Saúde Coletiva. Vol.10. Nº 03. Rio de Janeiro. 2005.

GALLO, R.B.S. et al. Recursos não farmacológicos no trabalho de parto: protocolo assistencial. Femina. 2011;39(1): 41-8.

KOETTKER, J.G.; BRUGGEMANN, O.M.; DUFLOTH, R.M. Partos domiciliares planejados assistidos por enfermeiras obstétricas: transferências maternas e neonatais. Revista escola enfermagem - USP, São Paulo, 2013, v.47, n.1, p. 15-21, out. 2013.

MINISTÉRIO PÚBLICO DE PERNAMBUCO. Humanização do parto. Nasce o respeito: informações práticas sobre seus direitos. Pernambuco, Publicações MPPE; 2015.

NASCIMENTO, S. O papel do enfermeiro no parto humanizado. SweetJourney. A hora do parto, 2012.

PASCHE, D.F. et al. Cinco anos da Política Nacional de Humanização: trajetória de uma política pública. Ciência e saúde Coletiva, 16 (11); 4541-4548, 2011.

PEREIRA, A.L. de F. et al. Resultados maternos e neonatais dos partos normais de baixo risco assistidos por enfermeiras e médicos. Revista Eletrônica de Enfermagem.Pg.831-840, 2012.

PHD, Instituto. Pesquisa Quantitativa e Pesquisa Qualitativa: entenda a diferença[atualizado].Blog Instituto PHD, 2015.

SANTOS, I.E. dos. Manual de métodos e técnicas de pesquisa científica. Niterói, RJ: Impetus, 2015. Pg. 236; 181.

VENTURI, W. et al. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços públicos e privado. Fundação Perseu Abramo e SESC [Internet], 2010.
Publicado
2018-10-14
Como Citar
LIMA, Welman de Sousa et al. ASSISTÊNCIA AO PARTO E SUAS MUDANÇAS AO LONGO DO TEMPO NO BRASIL. Multidebates, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 41-55, out. 2018. ISSN 2594-4568. Disponível em: <http://www.faculdadeitop.edu.br/revista/index.php/revista/article/view/117>. Acesso em: 17 nov. 2018.
Seção
Artigos