ICMS ECOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE MARIANÓPOLIS-TO

  • Valdineia Alves Campos PROIC/ITOP
  • Doriane Braga Nunes Bilac Faculdade ITOP

Resumo

Essa pesquisa tem como objetivo principal apresentar os benefícios adquiridos pelo município de Marianópolis – TO ao receber o ICMS ecológico, com vistas a descrever os aspectos legais sobre o ICMS Ecológico; analisar as ações executadas pelo Município de Marianópolis com o repasse do ICMS Ecológico e demonstrar o processo de recolhimento e repasse do ICMS Ecológico. Para se atingir os objetivos desse trabalho foram necessárias duas etapas: na primeira foram realizadas pesquisas bibliográficas onde se procurou conhecer as políticas que regulamentam o incentivo do ICMS Ecológico, analisando seus avanços e suas aplicações no que tange os valores recebidos pelos municípios, e a segunda foi realizado o estudo de caso com a realização de uma entrevista semiestruturada, no mês de dezembro de 2015, com o Secretário Municipal de Meio Ambiente, Sr. Salomão Barbosa Moreira, da Cidade de Marianópolis-TO.  Na análise dos resultados ficou evidenciado que o município, não dispõe de recursos hídricos como critérios para aumentar sua cota no recebimento do ICMS. Também foi constatado que o município contratou uma empresa especializada para execução de serviços no assessoramento técnico ambiental, desenvolvendo, em 2015, junto a Prefeitura e a Secretaria competente diversos projetos com o objetivo de aumentar a arrecadação do valor do ICMS Ecológico tais como: Legislação ambiental; Unidade de conservação dos Mananciais de abastecimento; Resíduos sólidos, Educação ambiental, Preservação da mata, Proteção dos mananciais, Poluição, ocupação do solo; Política de meio ambiente; Controle de queimadas; Saneamento ambiental; Conservação da água e solo.

Referências

BRASIL. SENADO FEDERAL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 05 de outubro de 1988. Disponível em: < http://www.senado.gov.br>. Acesso em: 06 jun. 2015.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; SILVA, Roberto da. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

CONEXÃO TO. 116 municípios tocantinenses serão beneficiados com repasse do ICMS Ecológico. 2014. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2015.

CONEXÃO TO. Aniversário do Parque do Lajeado Marca 12 anos de Preservação da Natureza Palmense. 2013. Disponível em:< http://conexaoto.com.br/2013/05/20/aniversario-do-parque-do-lajeado-marca-12-anos-de-preservacao-da-natureza-palmense>. Acesso em: 10 jun. 2015a.

FOLHA DO BICO. ICMS ecológico reforça caixa de municípios com ações ambientais. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2015.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOVERNO DO TOCANTINS. ICMS Ecológico: política do meio ambiente, controle e combate a queimadas, unidades de conservação e terras indígenas, saneamento básico, conservação do solo / Governo do Estado do Tocantins. Palmas, TO: SEMADES; NATURATINS, 2013. 48 p.: il. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2015.

ICMS ECOLÓGICO. O Destino Consciente de sua Carga Tributária - Tocantins. 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2015.

JUNIOR, Olimpio Araujo. O QUE É ICMS ECOLÓGICO? Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2015.

LAKATOS, Eva Maria. MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho cientifico. 4 ed. São Paulo: Atlas, 1992.

TOCANTINS. Lei nº 1.323 de 04 de abril de 2002. Dispõe sobre os índices que compõem o cálculo da parcela do produto da arrecadação do ICMS pertencente aos Municípios, e adota outras providências. Disponível em: HTTP://www.legiswev.com.br/legislação/?id=170968. Acesso em: 12 jun. 2015
Publicado
2018-08-12
Como Citar
CAMPOS, Valdineia Alves; BILAC, Doriane Braga Nunes. ICMS ECOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE MARIANÓPOLIS-TO. Multidebates, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 58-65, ago. 2018. ISSN 2594-4568. Disponível em: <http://www.faculdadeitop.edu.br/revista/index.php/revista/article/view/6>. Acesso em: 23 out. 2018.