DO CONFLITO AMOROSO À TRAJETÓRIA PERCORRIDA PELA BUSCA DO AUTOENCONTRO: UM OLHAR EM RELAÇÃO À OBRA ÁGUA VIVA DE CLARICE LISPECTOR

  • Airton Santos de Souza Junior Universidade Federal do Acre - UFAC

Resumo

O presente estudo objetiva realizar uma sondagem em relação à obra “Água Viva” de autoria da escritora Clarice Lispector, enfocando neste olhar sobre a narrativa o processo de construção do conflito/rompimento amoroso, e compreendendo-o ainda, como ponto de partida rumo a uma trajetória de autoencontro na qual a narradora-personagem se direciona. Para tanto, toma-se como aporte teórico os estudos de Barthes (1973); (2007), Boeno (2017), Helena (1997), Matos (2009) e Sartre (1970), os quais fundamentam as discussões arroladas nesta proposta. Diante disso, é que se torna possível perceber-se instaurado já no inicio da narrativa a hipótese do conflito amoroso, constituído a partir de uma relação dialética entre um eu (narradora-personagem) e um tu (possível amante), cuja tensão provoca na personagem o desejo de se autoencontrar, construído entre o ato de morrer e renascer por meio da palavra, entre a aceitação e negação, mas efetivado somente e, sobretudo, por meio da escrita.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Atualmente é Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Letras: linguagem e identidade da Universidade Federal do Acre (UFAC), bolsista Capes, graduado em Letras Português e suas respectivas literaturas pela Universidade Federal do Acre. Foi durante três anos bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Cientifica PIBIC/CNPq, com foco na área de Linguística-Dialetologia, também bolsista (Voluntário) do Programa de Educação Tutorial em Letras (PET-Letras) pela Universidade Federal do Acre, com foco na área de Literatura, e por ainda, bolsista do Programa Institucional de Iniciação a Docência (PIBID/UFAC) durante um ano e três meses (2014/2015) trabalhando com oficinas em torno do texto dissertativo-argumentativo, junto à alunos do terceiro ano do ensino médio da Escola Estadual Lourival Pinho no município de Rio Branco- AC. Possui experiência na área de Letras, com interesse nos campos da Dialetologia, Sociolinguística, e estudos Literários.

Referências

ALBUQUERQUE, G. R. . Amazonialismo. In: Gerson Rodrigues de Albuquerque; Agenor Sarraf Pacheco. (Org.). Uwa'kürü - Dicionário analítico (fascículo 1). Rio Branco - Acre: Nepan Editora, 2016. p. 73-96.
BAKHTIN, M. e VOLOCHINOV, V.N. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, [1992] 2003.
BARTHES, Roland. O Prazer Do Texto. Lisboa: Edições 70, 1973.
___________S/Z. Tradução Lea Novaes. Rio De Janeiro: Nova Fronteira, 1992.
___________ Aula: aula inaugural da cadeira de semiologia literária do Colégio de França, pronunciada dia 7 de janeiro de 1977. São Paulo: Cultrix, 2007.
BOENO, Neiva de Souza. Água Viva, De Clarice Lispector: Crítica Textual, Escritura Entrelinhar, Palavra Objetivada. Revista Da ABRALIN, V.16, N.2, P. 387-414, Jan./Fev./Mar./Abr. 2017.
HAWKING, Stephen. O universo numa casca de noz. Tradução de Ivo Korytowski. São Paulo: Mandarim, 2001.
HELENA, Lucia. Nem musa, nem medusa: itinerários da escrita em Clarice Lispector. Niterói: EDUFF, 1997.
LISPECTOR, Clarice. Água viva. 13 ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1994.
MATOS, Anderson H. “Romance Sem Romance”: O Caso De Água Viva De Clarice Lispector. Letrônica v. 2, n. 1, p. 306 - 316, julho 2009.
SILVA, Gabriela. Texto de Prazer ou Fruição? Disponível em: Acesso em 03 jul 2018.
SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. Tradução Rita Correia Guedes. Paris: Les Éditions Nagel, 1970.
BIANCHIN, Victor; MOTOMURA, Marina. Quantas dimensões a física conhece?
Disponível em < https://super.abril.com.br/mundo-estranho/quantas-dimensoes-a-fisica-conhece/> Acesso em 25 jul 2018.
Publicado
2018-10-14
Como Citar
SANTOS DE SOUZA JUNIOR, Airton. DO CONFLITO AMOROSO À TRAJETÓRIA PERCORRIDA PELA BUSCA DO AUTOENCONTRO: UM OLHAR EM RELAÇÃO À OBRA ÁGUA VIVA DE CLARICE LISPECTOR. Multidebates, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 454-466, out. 2018. ISSN 2594-4568. Disponível em: <http://www.faculdadeitop.edu.br/revista/index.php/revista/article/view/98>. Acesso em: 17 nov. 2018.
Seção
Artigos